Como Blockchain poderia transformar segurança alimentar

//Como Blockchain poderia transformar segurança alimentar

Como Blockchain poderia transformar segurança alimentar

Ecotrace-Blockchain-Pecuária
13
jul

A tecnologia blockchain tem sido principalmente associada a serviços financeiros – mas, cada vez mais, está causando impacto em todos os setores, e a cadeia de suprimentos de alimentos não é exceção.

Em agosto de 2017, dez das maiores empresas de CPG e de alimentos do mundo fizeram uma parceria com a IBM para integrar o blockchain em suas cadeias de fornecimento. Essa coorte – Walmart, Nestlé, Unilever, McCormick, Tyson, Kroger, McLane, Driscoll’s, Dole e Golden State Foods – representa mais de meio trilhão de dólares em vendas globais anuais agregadas.

Por meio da parceria, a plataforma blockchain da IBM ajudará as empresas de alimentos a aumentar a visibilidade e a rastreabilidade da cadeia de suprimentos.

Qual é o problema?

A cadeia alimentar global é complexa, reunindo agricultores, armazéns, companhias de navegação, distribuidores e mercearias. Envolver tantas partes diferentes também significa envolver muitos tipos diferentes de métodos de manutenção de registros, desde planilhas do Excel até e-mails e impressões em papel.

Esse sistema não é apenas ineficiente, também é impreciso. Quando você compra um vegetal em sua mercearia local, a marca listada no adesivo pode não ter ideia de qual fazenda o vegetal veio. Portanto, as marcas podem não ter certeza de como reagir quando algo dá errado.
E com comida, as coisas podem dar errado.

Segundo o CDC, a contaminação por alimentos causa o adoecimento de 48 milhões de americanos, 128.000 hospitalizações e 3.000 mortes a cada ano. O produto causa quase metade das doenças (devido ao norovírus), enquanto a avicultura causa a maior parte das mortes (principalmente devido à listeria e à salmonela).

Quando a contaminação se manifesta devido à falta de clareza na manutenção de registros, as empresas podem levar dias ou até semanas para rastrear a origem de uma infecção e recuperar os produtos apropriados.

Por exemplo, em 2006, três pessoas morreram e quase 200 ficaram doentes depois de comer espinafre contaminado com E. coli. Como o FDA não sabia quais sacos de espinafre continham a infecção, acabou recomendando que os americanos evitassem comer qualquer espinafre fresco. A indústria do espinafre enfrentou prejuízos de US $ 74 milhões.

Por que blockchain?

Blockchain funciona como um ledger público e descentralizado. (Para um mergulho mais profundo na tecnologia blockchain, confira aqui nosso explicador de blockchain CB Insights). Esse ledger fornece uma única fonte unificada de dados, criando uma trilha de auditoria mais clara e consistência entre as partes.

Usando o blockchain, as empresas de alimentos podem rastrear surtos de forma muito mais rápida para fontes específicas. Isso poderia ajudar a aumentar a segurança do consumidor, limitando as perdas financeiras, já que apenas os produtos diretamente afetados precisariam ser recuperados.

As empresas de alimentos podem anexar tags de IoT conectadas a remessas, com cada remessa atribuindo um número de identificação exclusivo. Esses IDs serão vinculados às origens dos produtos, dados de processamento, temperaturas de armazenamento, datas de vencimento e outras informações. Em cada estágio da cadeia de suprimentos, os funcionários podem simplesmente “fazer o check-in” do produto usando seu número de identificação, e o blockchain rastreará o produto com segurança ao longo do tempo nos pontos de verificação.

Os funcionários também podem inserir um número de ID para ver dados em tempo real de um produto e seu histórico – uma melhoria significativa em relação à chamada de diferentes partes, ao envio de documentos entre várias pessoas, etc.

O Walmart, um dos maiores varejistas de alimentos dos EUA, tem sido um dos pioneiros no uso de blockchain para apoiar a segurança alimentar. O varejista começou a pilotar a blockchain com a IBM no outono de 2016, começando com os embarques de carne suína na China, o que pode ser uma paisagem preocupante em termos de segurança para as empresas de alimentos. A Yum Brands, por exemplo, acabou vendendo seus negócios chineses em 2015, depois que o KFC enfrentou uma série de escândalos alimentares.

O Walmart considerou seu teste de carne de porco um sucesso. Em sua reunião com investidores em 2017, o vice-presidente de Segurança Alimentar do Walmart, Frank Yiannas, observou que, com o blockchain, ele podia extrair informações de rastreamento de um produto em menos de três segundos, enquanto tradicionalmente levava quase uma semana.

Após esse sucesso, a empresa expandiu o teste, adicionando rastreamento de mangas mexicanas e, em seguida, acompanhando a Turquia em parceria com a Cargill. Agora, como membro do consórcio da IBM, o Walmart provavelmente continuará a expandir seu uso de blockchain.

Fonte: https://www.cbinsights.com/research/blockchain-grocery-supply-chain/

Assine Nossa News letter

Assine nossa News letter e receba alertar de todos s nossos novos conteúdos sobre agronegócio, tecnologia e sustentabilidade.

[contact-form-7 404 "Not Found"]