O agronegócio e a inteligência de dados

O agronegócio e a inteligência de dados

Ecotrace / Blockchain.jpg
17
abr

Nas últimas décadas, com a expansão e consolidação da internet, o aprimoramento do armazenamento e análise de dados, ficou claro que a informação é um dos bens mais valiosos aos quais pessoas e empresas têm acesso.

Nos últimos anos a afirmação “Os dados são o novo petróleo” – criada pelo matemático londrino Clive Humby – vem sendo repetida a exaustão por executivos do mundo todo dos mais diversos segmentos, reforçando sua importância para os negócios.

É preciso ressaltar, contudo, que a afirmação de Clive não para por aí. O matemático ressalta que assim como o petróleo necessita ser refinado, os dados precisam ser analisados para gerar valor. Com a vantagem de que ao contrário do petróleo, os dados são infinitos.



Clive_Humby

Os dados são o novo petróleo

Clive Humby



O Business Intelligence e o Big Data já são uma realidade nas grandes empresas, em especial as de tecnologia, sendo parte essencial do mundo 4.0 que se avizinha. Mas você sabia que essas práticas também podem trazer grandes frutos para o agronegócio?



Agro 4.0 – A análise de dados como aliada no campo

Quem trabalha no agronegócio sabe que as próximas décadas serão marcadas por grandes desafios. É preciso aumentar a produção de alimentos para o mundo, sem degradar o meio ambiente enquanto se enfrenta os efeitos das mudanças climáticas.

Para atingir esses objetivos não há dúvidas de que a tecnologia deverá cumprir um papel ainda mais central no campo, permitindo alcançar melhores resultados, seja nas lavouras ou na criação de animais.

Nesse cenário a coleta e análise de dados cumprem um papel de inteligência fundamental, fornecendo as bases que permitem aprimorar a tomada de decisão. O tempo de confiar na intuição ou praticar achismos acabou.

AgroPecuaria / Agrotech

Através de uma base de dados fidedignos é possível compreender com precisão como opera as mais sutis variáveis presentes no agronegócio, incluso a escolha da genética, da alimentação, dos insumos, entre muitos outros.

Na prática isso resulta na tríade que é procurada por todo agropecuarista:

  • maior produtividade;
  • melhora qualidade dos produtos;
  • redução de custos.

Se hoje já entendemos que as propriedades devem seguir modelos de gestão profissional para obter bons resultados, como acontece em outros setores, é preciso também ir além e adotar no campo as tecnologias que permitam alcançar a excelência dessa gestão.



A tecnologia blockchain e a coleta de dados

A coleta de dados no campo, porém, nem sempre é tarefa das mais simples. A estrutura de comunicação deficiente no Brasil sem dúvidas é um obstáculo, mas não o único.  Pode ocorrer, por exemplo, de um dado visto no campo se perder no caminho até seu registro.

E aqui é preciso reforçar uma ideia importante: realizar análises com informações equivocadas ou aproximadas resultarão em cenários distorcidos da realidade, levando, portanto, a erros na tomada de decisão.

Assim, tanto a perda de dados como sua posterior alteração realizada sem intenção, são riscos reais que devem ser combatidos.

A tecnologia blockchain se destaca em especial pela capacidade de oferecer segurança aos dados coletados, além de ser capaz de registrar informações nos mais diferentes formatos, se apresentando assim como uma solução viável ao agro.

Quer entender melhor como funciona essa tecnologia para o agronegócio? Confira nosso artigo aqui e saiba mais!

Para saber mais sobre o agro 4.0 e a tecnologia aplicada no campo, continue acompanhando nosso blog e siga nossas páginas nas redes sociais. Até a próxima!

Referências: Administradores.com.br

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Assine Nossa News letter

Assine nossa News letter e receba alertar de todos s nossos novos conteúdos sobre agronegócio, tecnologia e sustentabilidade.