Setor Lácteo Nacional – A importância do IN 76 e 77

/, Agro 4.0, Agropecuária, Alimento, Indústria, Informação, Tecnologia/Setor Lácteo Nacional – A importância do IN 76 e 77

Setor Lácteo Nacional – A importância do IN 76 e 77

Rastreabilidade - Ecotrace
5
mar

Embora o agronegócio brasileiro se destaque mundialmente na produção de grãos é inegável que quando o assunto é a exportação de produtos de origem animal ainda há um enorme potencial inexplorado.

Em grande parte isso ocorre devido à carência de processos e controles que garantam a Segurança Alimentar e Sanitária que obedeçam as exigências do comércio internacional.

Para mudar esse cenário em 2017 foi publicado o decreto 9.013, o novo regulamento de inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal – RIISPOA.

A medida veio em conjunto de atualizações legais aos assuntos referentes em um momento em que se eleva a pressão para a valorização dos programas de autocontrole, entre outras exigências do setor produtivo.

[Veja também nosso post sobre o potencial do agronegócio no Brasil: Brasil, maior produtor de alimentos até 2030]

A cadeia de lácteos e a atualização legal

Entre os produtos de origem animal com baixo desempenho no mercado global está o setor de lácteos, que ainda sofre com práticas e hábitos poucos recomendados.

Em 2019 a China habilitou 24 laticínios nacionais para o comércio, medida que acabou tendo poucos efeitos práticos pela falta de comprovação dos requisitos legais pela cadeia produtiva.

Diante desse cenário as Instruções Normativas 76 e 77 do Ministério da Agricultura, são um avanço significativo e bem vindo.

Enquanto a IN 76 versa sobre as novas regras de características e qualidade do produto, a IN 77 traça os critérios para a extração de leite de qualidade e seguro.

Como toda nova norma técnica, as IN 76 e 77 também enfrentam resistências entre participantes da cadeia produtiva.

Ainda hoje há quem acredita que as normatizações são apenas burocracias que aumentam o trabalho e os custos, sem gerar benefícios.

É preciso compreender, contudo, que vivemos em um novo mundo. Quem quer sobreviver não pode deixar o profissionalismo de lado.

[Confira nosso post sobre a rastreabilidade: Rastreabilidade – o futuro da pecuária e do agronegócio]

Monitoramento e rastreabilidade da cadeia produtiva.
Fonte: Milk.wiki

Benefícios para além do comércio internacional

A nova normatização da produção de lácteos abre as portas do comércio internacional para o setor, mas também gera benefícios internos importantes.

O avanço tecnológico mudou não apenas a forma de produção, como também a relação entre produtores e consumidores.

O amplo acesso a informação propiciado pela internet fez com que muitos passassem a se atentar a fatores que antes recebiam pouca atenção, por exemplo, o impacto ambiental do negócio, o trato com os animais, etc.

A normatização permite que o produtor dê uma resposta a essa demanda dos consumidores, garantindo a realização de boas práticas e de segurança alimentar com produtos lácteos de qualidade.

Vale reforçar ainda que segundo estudo do Banco Mundial, os alimentos não seguros causam um impacto econômico considerável nas economias de baixa e média renda: U$ 110 bilhões em perda de produtividade e despesas médicas.

Quando o produto se recusa a aplicar boas práticas na produção de alimentos, as consequências de sua atitude não estão restritas apenas ao seu negócio, mas atinge também a toda sociedade.

Os desafios no setor lácteo nacional são muitos, mas inciativas como a Ideas for Milk fomentada pela Embrapa desde 2016, mostra que estamos no caminho certo para vencê-los.

Com novas normas e o extenso avanço tecnológico, temos certeza que a produção de laticínios brasileira irá oferecer alimentos mais seguros para o mercado interno ao mesmo tempo em que conquistará o mercado externo.

Paulo do Carmo Martins, chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, idealizador e coordenador geral do Ideas For Milk.

Assine a nossa newsletter e não perca nenhuma novidade de nosso blog. Para ficar por dentro de todas as novidades da Ecotrace, siga nossas páginas nas redes sociais, até a próxima!

Fontes: Higienealimentar.com.br e Milkwiki.com.br
Autor: André Luiz Assi.

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Assine Nossa News letter

Assine nossa News letter e receba alertar de todos s nossos novos conteúdos sobre agronegócio, tecnologia e sustentabilidade.